Col·lectiu Emma - Explaining Catalonia

Thursday, 6 february 2014 | Público

Português

Referendo sobre independência da Catalunha é "inconstitucional" e "não se vai realizar", garante Rajoy (Público)

PÚBLICO 12/12/2013 


Chefe do Governo espanhol reage à marcação de referendo para 9 de Novembro de 2014, depois de Artur Mas ter anunciado a data e a pergunta sobre a independência da Catalunha.

O referendo sobre a independência da Catalunha já tem data e pergunta. A 9 de Novembro de 2014 os catalães vão responder à questão: “Quer que a Catalunha seja um Estado?” O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo presidente da Generalitat, Artur Mas, depois de uma reunião com as outras formações políticas representadas no Parlamento catalão que apoiam a realização do referendo.

Em caso de resposta afirmativa à primeira pergunta, o referendo prevê uma outra que aborda directamente a independência: "Quer que a Catalunha seja um Estado independente?"

No entanto, o referendo não é autorizado pelo Governo central. Depois de o ministro da Justiça, Alberto Ruiz-Gallardón, ter afirmado que "o Estado garante que a consulta não se irá realizar", o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, também seguiu pelo mesmo caminho, com uma declaração solene a afirmar que o referendo "é inconstitucional e não se vai realizar".

"Quero dizer com toda a clareza que essa consulta não se vai realizar. É inconstitucional e não se vai realizar. O que alguns partidos planearam é radicalmente contrário à Constituição e a lei dessa iniciativa choca com o fundamento da Constituição que é a unidade indissolúvel da nação espanhola, pelo que o Governo a que presido não pode autorizar nem negociar algo que é propriedade dos espanhóis", declarou Rajoy, lamentando que "estas iniciativas que fracturam a sociedade, fomentam a divisão e geram incerteza".

Antes já o porta-voz do Partido Popular, Alfonso Alonso, tinha defendido ser "impossível que a consulta se realize". "Mas é um representante do Estado na Catalunha e a sua função é cumprir a lei", acrescentou o responsável.

Antevendo a reacção do Governo de Madrid, o presidente da Generalitat catalã fez um apelo a Madrid. “Agora esperamos um Estado espanhol atento a esta maioria tão sólida e a um povo que quer votar”, afirmou Artur Mas. O chefe do executivo catalão defendeu que a decisão “permite cumprir os dois objectivos marcados: um acordo maioritário e uma pergunta inclusiva e, ao mesmo tempo, clara e concreta”.

Também o PSOE rejeitou a consulta, através do seu líder, Alfredo Pérez Rubalcaba. "O que foi proposto foi um referendo sobre a autodeterminação, com o qual os socialistas não concordam."

Com a oposição do PP e dos socialistas, a que se junta o partido União, Progresso e Democracia (UPyD), o Parlamento espanhol não deverá aprovar a consulta catalã.

Ladeado pelos representantes dos partidos pró-referendo, Artur Mas sublinhou que as negociações “se concluíram de forma muito rápida e discreta: de terça a quinta-feira”. “Há acordo a favor da consulta e uma maioria da população é partidária do direito a decidir”, acrescentou, citado pelo El País.

O Partido Popular, principal opositor ao referendo, criticou a marcação de data, que considera uma “ficção”. “É sabido que essa consulta não se vai celebrar, mas continua a alimentar-se uma ficção”, afirmou o porta-voz do partido, Enric Millo. “O cinismo irá converter-se em frustração e isso só poderá dar lugar a confrontação social”, acrescentou.

A pergunta e a data ainda têm ainda de ser confirmadas pelas direcções partidárias que apoiam o referendo. A partir de amanhã, o Parlamento catalão irá fazer o pedido formal ao Governo de Madrid de transferência do poder de realização de referendos, previsto pela Constituição espanhola.

Ao lado de Mas encontravam-se Oriol Junqueras (ERC, Esquerda Republicana), Joan Herrera (ICV, Iniciativa pela Catalunha), Joana Ortega e Ramon Espadaler (UDC, União Democrática da Catalunha, parceiros de coligação da Convergência), Joan Mena (EUiA, Esquerda Unida e Alternativa) e David Fernández e Quim Arrufat (CUP, Candidatura de Unidade Popular). O apoio destes partidos à realização do referendo confere uma maioria de 88 deputados dentro dos 135 do Parlamento catalão.

A ausência do Partido Socialista da Catalunha (PSC) foi notada por Mas, que referiu que gostaria de ter contado com o seu apoio.

Notícia actualizada às 20h09: acrescentaram-se as reacções do Governo, de Mariano Rajoy e do PSOE.


Very bad Bad Good Very good Excellent
carregant Loading




Lectures 3362 visits   Send post Send


Col·lectiu Emma - Explaining Catalonia

Col·lectiu Emma is a network of Catalans and non-Catalans living in different countries who have made it their job to track and review news reports about Catalonia in the international media. Our goal is to ensure that the world's public opinion gets a fair picture of the country's reality today and in history.

We aim to be recognized as a trustworthy source of information and ideas about Catalonia from a Catalan point of view.
[More info]

quadre Traductor


quadre Newsletter

If you wish to receive our headlines by email, please subscribe.

E-mail

 
legal terms
In accordance with Law 34/2002, dated 11 July, regarding information services and electronic commerce and Law 15/1999, dated 13 December, regarding the protection of personal data, we inform you that if you don’t wish to receive our newsletter anymore, you can unsubscribe from our database by filling out this form:








quadre Hosted by

      Xarxa Digital Catalana

Col·lectiu Emma - Explaining Catalonia