Col·lectiu Emma - Explaining Catalonia

Wednesday, 10 may 2017 | EXPRESSO

Português

Governo da Catalunha condena “criminalização das ideias e da liberdade de expressão e opinião”

Carme Forcadell, presidente do Parlamento regional catalão, foi chamada a depor esta manhã no Tribunal Superior de Justiça da Catalunha no âmbito de um processo judicial em que é acusada do crime de desobediência, por ter autorizado a votação de resoluções soberanistas na assembleia parlamentar

Foto: Josep Lago



EXPRESSO
 
JOANA AZEVEDO VIANA
 
08-05-2017.-
 
A porta-voz do governo regional da Catalunha e conselheira da presidência, Neus Munté, lamentou esta segunda-feira de manhã a "criminalização das ideias e da liberdade de opinião e expressão", em declarações aos jornalistas que se concentraram à porta do Tribunal Superior de Justiça da Catalunha (TSJC), em Barcelona, para acompanharem a segunda audiência de Carme Forcadell, atual presidente do Parlamento regional catalão, naquela instância.

Forcadell está a ser investigada por ter autorizado a votação de resoluções soberanistas no Parlamento regional, entre elas uma favorável à convocatória de um novo referendo sobre a independência da Catalunha. Anna Simó, primeira secretária do órgão diretivo do Parlamento catalão, também foi chamada a depor esta manhã no âmbito do mesmo processo, em que são acusadas de "desobediência".

"Constatamos o baixo nível da democracia do Estado espanhol e a judicialização constante perante o que é um clamor democrático de primeira ordem, civil, com toda a força e legitimada para conseguir ser um Estado normal, para podermos decidir sobre os nossos assuntos, para podermos votar", acusou Munté.

A par do processo em curso contra Forcadell, há dois meses o ex-presidente da Generalitat (governo regional) Artur Mas foi condenado pelo mesmo tribunal, ficando proibido de desempenhar cargos públicos por um período de dois anos e sendo obrigado a pagar uma multa de 36.500 euros por ter desobedecido à decisão do Tribunal Constitucional espanhol – que em 2014 ditou que o referendo sobre a independência convocado para novembro daquele ano era "ilegal".

Na altura, o governo de Mas avançou com uma "consulta popular não-vinculativa" contra a vontade da mais alta instância judicial espanhola e do governo central de Mariano Rajoy. Por causa disso, também Joana Ortega, ex-vice-presidente da Generalitat, foi condenada a um ano e nove meses de inabilitação para cargos públicos, e Irene Rigau, ex-conselheira para o Ensino, a um ano e meio.

Artur Mas foi o presidente do governo regional da Catalunha de 2010 até ao início de 2016. Na consulta de 2014, os catalães foram questionados, entre outras coisas, sobre se a comunidade autónoma da Catalunha deveria ser um Estado e se esse Estado devia ser independente de Espanha. 2,3 milhões de pessoas participaram na consulta, de um total de seis milhões de eleitores registados, e 80% delas votaram pela independência.
À data, os independentistas defenderam que, ao proibir a consulta popular sem consequências jurídicas, o Tribunal Constitucional e o governo central de Rajoy puseram em causa os direitos mais básicos dos catalães, como o da "liberdade de expressão" e a própria "democracia".

Apesar de o braço de ferro entre Madrid e aquela que é a região mais rica de Espanha, com cerca de 7,5 milhões de habitantes e uma língua e cultura próprias, se arrastar há várias décadas, a questão ganhou força e mediatismo a partir de 2010, quando o Constitucional anulou o "estatuto" da Catalunha, que desde 2006 conferia à região muitas competências de autonomia e o título de "nação".

O Parlamento catalão está sob controlo dos partidos pró-independência, ou no mínimo favoráveis à organização de um referendo, desde janeiro de 2016. Graças a essa maioria, em julho conseguiram aprovar uma resolução que prevê a convocatória de um novo plebiscito sobre a independência catalã até setembro de 2017, com ou sem o aval de Madrid. É por causa dessa e de outras resoluções da mesma natureza que Forcadell e Simó estão atualmente a ser julgadas pelo crime de "desobediência", a par de Lluís Corominas, Ramona Barrufet e Joan Josep Nuet, que integram o órgão diretivo da assembleia.

Relatos do jornal online catalão "Aldia" e de outros media locais dão conta de que milhares de pessoas acompanharam os deputados e a presidente do Parlamento em marcha pela "liberdade" até à porta do tribunal esta manhã. Na suas declarações ao TSJC, Forcadell terá defendido que a resolução aprovada em outubro de 2016 se limitou a reconhecer o tema que havia sido abordado e debatido pelos deputados catalães. De acordo com fontes judiciais citadas pelo "La Vanguardia", terá também pedido à magistrada Maria Eugènia Alegret que garanta a sua "inviolabilidade parlamentar" enquanto deputada.

 


Very bad Bad Good Very good Excellent (2 vòtes)
carregant Loading




Lectures 512 visits   Send post Send


Col·lectiu Emma - Explaining Catalonia

Col·lectiu Emma is a network of Catalans and non-Catalans living in different countries who have made it their job to track and review news reports about Catalonia in the international media. Our goal is to ensure that the world's public opinion gets a fair picture of the country's reality today and in history.

We aim to be recognized as a trustworthy source of information and ideas about Catalonia from a Catalan point of view.
[More info]

quadre Traductor


quadre Newsletter

If you wish to receive our headlines by email, please subscribe.

E-mail

 
legal terms
In accordance with Law 34/2002, dated 11 July, regarding information services and electronic commerce and Law 15/1999, dated 13 December, regarding the protection of personal data, we inform you that if you don’t wish to receive our newsletter anymore, you can unsubscribe from our database by filling out this form:









quadre Hosted by

      Xarxa Digital Catalana

Col·lectiu Emma - Explaining Catalonia